Sem categoria

Gravadora Tronco

Link da gravadora Tronco, de Porto Alegre. Lança artistas independentes. Dentre eles, o meu professor de violão querido Ives Mizoguchi, talento incrível.

https://bandcamp.tronco.site/music

Anúncios
Padrão
Sem categoria

Primeiro e segundo Cds de Rogério Ratner

Resultado de imagem para rogério ratner

– O primeiro CD, “Rogério Ratner” (capa acima), foi lançado em 1997.

 

 

 

 

– O segundo CD, “Crendices Vãs”, foi lançado em 2005.

PARA ESCUTAR AS MÚSICAS DOS DOIS CDS, E DO TERCEIRO CD, “CANÇÕES PARA LEITORES”, ALÉM DE ENTREVISTAS NA TV, CLIPES, ETC., acesse

https://www.youtube.com/results?search_query=rog%C3%A9rio+ratner&search_type=&aq=f

 

 

– Rogério Ratner já teve músicas suas rodadas nas rádios 89FM/SP (programa Versão Brasileira); USP/FM (programa Blues Power);  Imprensa FM (SP); Gazeta AM (SP); PIRAÍ FM/RJ (programa Contramão)/OI FM (SP-RJ-MG), no programa FRENTE, de Henrique Portugal, tecladista da banda mineira Skank. Também nas rádios gaúchas IPANEMA FM/ BANDEIRANTES FM/ POP ROCK FM (programa Estúdio B, atual MIX FM)/ FM CULTURA/ GAÚCHA AM E FM (ATUAL ITAPEMA e GAÚCHA FM)/UNISINOS FM/ GUAÍBA FM/ RÁDIO DA UNIVERSIDADE (UFRGS; UFPEL; FURG)/ FARROUPILHA AM,  todas de Porto Alegre, e outras emissoras no interior do Estado (Pelotas, Rio Grande, Santa Maria, Lajeado, Erechim, Canela, etc.). Também nas rádios online Mundo Rock (RJ), Nocabo (RS), Buzina do Gasômetro (RS), etc.

– O clipe da música “Claro/Escuro” rodou na MTV (programa Território Nacional) e no MULTISHOW (programa TVZ). Foi apresentado também nas emissoras gaúchas RBS TV, TVCOM, TVE, BAND, TV 2 GUAÍBA,  PAMPA, TV UNISINOS, TV ASSEMBLEIA e UNITV.

– Cumpre destacar também a participação de Rogério em programas televisivos tais como  “Barraco” (MTV), “A Turma do Arrepio” (Rede Manchete SP), Programa Rosana Hermann (Rede Mulher, SP), Jornal do Almoço (RBS TV), Estúdio 36, Palco, Tânia Carvalho (TVCOM), Folharada Ipanema na TV, Jornal Acontece (Bandeirantes), Radar, Estação Cultura (TVE), Programa Vera Armando (TV Pampa), Programa Palavra de Mulher (Marlei Soares) (TV Guaíba), dentre outros.

– Já apresentou-se no Foyer do Theatro São Pedro (projeto Blue Jazz), no auditório do Instituto Cultural Norte-Americano, na Sala Radamés Gnatalli, no Sarau do Solar dos Câmara, no Teatro Renascença, no Salão Mourisco da Biblioteca Pública, no Café Concerto, na Sala Luis Cosme e no Teatro Bruno Kiefer da CCMQ, na Usina do Gasômetro, no Auditório Araújo Vianna, na Feira do Livro, no DC Navegantes, na Cia. de Arte, na Livraria Cultura, no Sintrajufe, na Cia de Sanduíches, no Zelig Bar, no Opinião, no Pecados Mortaes, na Sala Jazz Tom Jobim, dentre outros locais.

 

 

 

Padrão
Sem categoria

LP Música Popular do Sul

< Anterior | Para visualizar todos os artigos | Seguinte >

Lp música popular do Sul – gravadora Marcus Pereira  escrito em domingo 12 outubro 2008 20:39

Blog de bandasdorockgauchoforever :bandas do rock gaúcho forever, Lp música popular do Sul - gravadora Marcus Pereira

No total são 4 LPs. Os Tapes e Elis Regina participam.

permalink

LP Som Grande do Sul  escrito em domingo 12 outubro 2008 20:42

Blog de bandasdorockgauchoforever :bandas do rock gaúcho forever, LP Som Grande do Sul

permalink

LP da Annie Perec  escrito em segunda 13 outubro 2008 01:49

Blog de bandasdorockgauchoforever :bandas do rock gaúcho forever, LP da Annie Perec

Annie Perec é uma cantora gaúcha que começou no final dos anos 60, participando dos festivais da arquitetura da UFRGS. Mas foi somente nos anos 80 que sua carreira teve maior continuidade. Ao lado da banda “Me faz um please”, a cantora apresentava-se seguidamente no bar Ocidente, Porto de Elis, etc. Depois foi pra Sampa e fez shows em casas badaladas como a Madame Satã, entre outras. Lembro de uma vez em um show de Gilberto Gil na Redenção (era só ele no violão, e um mar de povo), em que ele esqueceu a letra de “Domingo no Parque”, e perguntou à platéia se alguém sabia. Annie, que havia feito um show aqui em Porto baseado nos hits tropicalistas subiu ao palco e cantou com Gil, bem legal. A cantora lançou este LP pelo selo paulista da gravadora Eldorado. Entretanto, o som da gravação não ficou dos melhores, fato infelizmente corriqueiro em gravações pop e rock dos anos 80, o que prejudicou um pouco o registro, na minha opinião. A artista se valia de muita misancene em suas apresentações, fazendo um trabalho bem criativo e diferente. Ao que sei, a cantora atualmente está radicada na França.

permalink

LP do Saracura  escrito em segunda 13 outubro 2008 01:52

Blog de bandasdorockgauchoforever :bandas do rock gaúcho forever, LP do Saracura

Do final dos anos 70 a meados dos anos 80 o Musical Saracura foi um dos principais grupos no cenário de Porto Alegre e gaúcho. Formado por Nico Nicolaievsky (atual Tangos e Tragédias, teclado e voz), Sílvio Marques (violão, ex- Academia de Danças), Chaminé (baixo e voz, ex- O Succo, Bobo da Corte, Hermes Aquino, etc.) e Gatinha (ex- Saudade Instantânea, Bobo da Corte, Sol e chuva), depois substituída na bateria por Fernando Pezão (ex-Mantra. Ainda integraram a banda, como “free-lancers” os guitarristas Zé Flávio (ex-Mantra, ex-Almôndegas, Os Totais) e Léo Henkin (atualmente no Papas da Língua). Misturando influências da MPB tropicalista, do rock e da música regional gaúcha (fizeram uma profícua parceria com o compositor nativista Mário Barbará, que incluiu uma temporada de shows e inclusive a participação na Califórnia da Canção de Uruguaiana), o grupo era um dos principais do cenário pop gaúcho do período. Neste disco, além de músicas de Barbará (notadamente o hit “Xote da Amizade”), registraram, dentre outras, alguns dos “clássicos” de Cláudio Levitan, tal como “Marcou Bobeira”. Deixou saudades nos fãs.

permalink

Lp Juntos – Nelson Coelho de Castro  escrito em segunda 13 outubro 2008 01:54

Blog de bandasdorockgauchoforever :bandas do rock gaúcho forever, Lp Juntos - Nelson Coelho de Castro

Este LP é considerado “oficialmente” o primeiro disco independente de Porto Alegre, e data de 1980, se não me engano. O diferencial entre o que aqui no sul ficou convencionado como sendo “disco independente” e as bolachas auto-financiadas é que eram vendidos bônus pelos artistas. OU seja, mais ou menos o que atualmente o pessoal está chamando de  “crowdfunding -financiamento colaborativo de projetos”.  Esta idéia “nova”, portanto, é bem velha. Então, no caso, o Nelson vendia ao pessoal antecipadamente o disco, e com o dinheiro arrecadado, bancou a gravação e a prensagem. Naquela época, surgiram diversos discos lançados neste esquema: lembro assim, de cabeça, do primeiro disco do Nei Lisboa, que lançou o “Neilisbônus”, do LP do Carlos Patrício,  do primeiro disco do Antônio (Totonho) Villeroy e por aí vai. Mas voltando ao Nelson,

além de ser uma grande figura, talvez tenha sido quem melhor traduziu até hoje a especificidade do portoalegrense, com sua linguagem, gírias, jeito e hábitos, em suas músicas. E este disco, sem dúvida, é um dos grandes pilares de sua obra.

Padrão